2 de out de 2012

Onde situar a mente (parte 2) - Takuan Soho


Certa vez, uma pessoa disse: “Onde quer que eu situe minha mente, minhas intenções ficam presas ao lugar para onde ela vai, e eu perco o combate. Por isso, situo minha mente logo abaixo do umbigo e não deixo de vaguear. Dessa maneira, sou capaz de mudar de acordo com as ações do meu oponente.”

Isso é razoável. Mas segundo o ponto de vista mais elevado do Budismo, situar a mente logo abaixo do umbigo e não deixá-la vaguear não corresponde a um alto nível de compreensão, mas a um nível baixo. Corresponde ao nível da disciplina e do treinamento, ou ao nível da seriedade.

Supõe que tu situes a mente abaixo do umbigo e não deixes vaguear: tua mente será capturada pela mente que concebe esse plano. Tu não terás a capacidade de avançar e serás como um escravo, sem liberdade alguma.

Isso leva a próxima pergunta: “ Se o ato de situar a mente abaixo do umbigo me deixa preso e incapaz de agir, ela não tem utilidade nenhuma. Sendo assim, em que parte do corpo devo situar a mente?”

Respondi: “ Se tua a situares na mão direita, ela será capturada pela mão direita e o corpo perderá sua capacidade de ação. Se tua situares no olho, ela será capturada pelo olho e o corpo perderá sua capacidade de aça. Se tua a situares no pé direito, ela será capturada pelo pé direito e o corpo perderá sua capacidade de ação.”


(Trechos do Livro: A Mente Liberta, de Takuan Soho, Editora Cultrix)

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...